Pizzaria
Opções
Botafogo X Treze: Postos de ex-presidente do Belo emitiram 80% das notas fiscais do Gol de Placa
O futebol da Paraíba atravessa uma das maiores crises da sua história.
26/01/2019 13h44
Por: Redação Portal JKR
141

Uma rede de postos de gasolina em João Pessoa, de propriedade do ex-presidente do Botafogo-PB, Nelson Lira, emitiu aproximadamente 80% das notas fiscais da partida, com valores exatos de R$ 50,00 cada; Uma panificadora no Geisel também apresenta movimentação suspeita.

EXCLUSIVO: O Jornal Folha de São Paulo denunciou nesta semana fraude no programa Gol de Placa, no Estado da Paraíba, revelando a existência de documentos que comprovariam o crime cometido por dirigentes de clubes paraibanos.

A reportagem teve ACESSO EXCLUSIVO a documentos oficiais do Governo do Estado, da partida entre Botafogo X Treze, ocorrido no dia 22/02/2015, que escancaram a fraude do programa Gol de Placa como denunciado pela imprensa nacional e revelam que o crime vinha sendo praticado pelo há pelo menos 3 anos.

Clique AQUI e confira a denúncia da Folha de São Paulo

Segundo os documentos obtidos com exclusividade pelo RádioBlog, uma rede de postos de gasolina, em João Pessoa, de propriedade do ex-presidente do Botafogo da Paraíba, Nelson Lira, emitiu aproximadamente 80% das notas fiscais da partida trocadas através do programa Gol de Placa, com valores exatos de R$ 50,00 cada. Uma panificadora no bairro do Geisel, também é “destaque” nos documentos pelas “notas fiscais suspeitas”, também em valores redondos de R$ 50,00.

Chama a atenção que o “monopólio” da rede de postos de combustíveis e da panificadora, não tenham despertado a atenção dos responsáveis pelo programa para a possível irregularidade. À época da partida em questão, a responsabilidade pela fiscalização e bom funcionamento do programa cabia ao então secretário de esportes do Estado da Paraíba na gestão do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB), atualmente vereador, Tibério Limeira (PSB).

O crime

O número de torcedores é inflado para aumentar o montante que o clube recebe de empresas que ganham desconto no recolhimento de ICMS para pagar os ingressos adquiridos com notas fiscais. De acordo com a lei, até 5% da fatura da empresa com o ICMS é deduzido.

Quanto aos torcedores que aparecem com seus nomes e CPF´s nas “notas fiscais suspeita”, maioria teve seus dados cadastrais obtidos por estarem disponíveis na internet.

O futebol da Paraíba atravessa uma das maiores crises da sua história. Dirigentes da federação e dos clubes foram afastados do futebol em abril do ano passado acusados de integrar um esquema de manipulação de resultados.

Confira os documentos:

Documento 01

Documento 02

Documento 03

 

Do Paraíba Rádio Blog

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.