Política pública para o campo implementada em Mari ganha destaque e vira referência na região

single-image

A gestão do prefeito de Mari, Antonio Gomes, tem implementado um arrojado projeto de política pública voltada para o homem do campo, capitaneada pelo Secretário do Desenvolvimento Econômico e Agrário, Severino Ramo, mudando a lógica da ação do poder público nesse segmento.

 

Desde o início da gestão em 2017 que o Governo Municipal tem procurado inserir o município em ações que tenham resultados a médio e longo prazo, saindo da política assistencialista implementada ao longo dos anos onde o homem do campo só tinha direito ao corte de terra e com a intervenção política dos gestores de plantão.

 

Nessa nova lógica, a gestão municipal em parceria com Governo do Estado da Paraíba, da Emepa-PB, da EMATER –PB, criou o projeto de Cajucultura, beneficiando os agricultores familiares dos Assentamentos Tiradentes e Zumbi dos Palmares, onde foram distribuídas para planta 10 mil mudas do caju anão precoce. A meta era distribuir em 25ha, de cada Assentamento.

No que tange alguns atropelos na execução do referido projeto, o Secretário Severino Ramo tem respondido as críticas apresentando casos de agricultores que plantaram e deu frutos. “O município não é o produtor do cajú, a nossa política é de assistência técnica, orientação e suporte para que os próprios agricultores possam produzir e comercializar o fruto da produção”, esclarece.

O cultivo do Urucum é outra política pública implementada dentro do Projeto Propriedade Produtiva da Secretaria de Desenvolvimento Agrário do município. Na comunidade de Açude Grande se tornou unidade referência nesse tipo de cultivo (cultivar: Piave Verde Limão). A cultivar utilizada apresenta várias vantagens comparativas com as que existem na região, como a precocidade na brotação de flores e cachos, maior produtividade de sementes, além do alto teor de BIXINA. Mas não só Açude Grande se tornou referência no plantio de Urucum, outras localidades da zona rural também seguiram o exemplo tendo  vários agricultores  de comunidades diferentes feito o plantio.

Em Lagoa do Felix, o plantio de Sorgo “Agri 002E” (sorgo boliviano gigante) é uma outra atividade incentivada pela Gestão Municipal. A localidade se tornou uma unidade de referência para a produção de forragem, para alimentar os animais num período de maior carência de alimento para os mesmos, a partir do uso de técnica de ensilagem, para conservar a qualidade nutricional.

Na área experimental, logo no início dos trabalhos foi realizado o cultivo de cinco materiais genético diferente A cultivar Sorgo Agri 002E que apresenta alto teor de biomassa; 1 hectare produz entre 100 e 120 toneladas de massa verde, no terceiro mês do plantio. No experimento, os técnicos realizaram 5 tipos de plantios diferentes, procedimento este que busca encontrar o melhor resultado com cultura do Sorgo.

Na atualidade a produção segue  com resultados bastante satisfatórios e os produtores de animais tem reconhecido a importância dessa ação.

O projeto da Casa de Farinha que fora construída através do APL (Arranjo Produtivo Local), apoiado financeiramente pela SEDAP/BNDES que estava fechada havia alguns anos, e que passara a funcionar na atual gestão foi outra política pública importante gerenciada pela prefeitura.

Com a Casa de Farinha funcionando toda a produção de mandioca dos agricultores familiares pode ser absolvida para fabricação da farinha no próprio município.

A construção da geodésica simboliza implantação de um sistema produtivo integrado para o cultivo de hortaliças, plantas medicinais, Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) frutíferas, mandioca, inhame, batata doce, criação de bovino, suíno, de peixes e de galinha caipira; além da instalação de um biodigestor para geração de “gás de cozinha” e de placas fotovoltaica para a geração de energia solar.

 

O processo de capacitação foi desenvolvido buscando integrar várias práticas do cultivo da terra, produção de medicamentos homeopáticos, criação de animais; com isso, dinamizar, potencializar o espaço utilizado e valorizar a relação do humano com a natureza, com práticas agroecológicas e holísticas.

A inauguração do espaço foi incrementada com a realização do Curso de Práticas Integrativas Populares em Saúde e Fitoterapia. O curso foi ministrado por Emanuel Falcão, da UFPB/PRAC e contou com a participação de representantes dos Povos Tabajaras, com destaque para as presenças do Cacique e o Pajé daquela comunidade indígena.

Todo esse trabalho e outros mais que não foi possível expor nesta reportagem, tem recebido o reconhecimento dos produtores e se tornado referencia na região.
Em novembro do ano passado, o Secretário de Desenvolvimento Econômico e Agrário, Severino Ramo, participou com uma comitiva da gestão municipal do Encontro de Homens e Mulheres de negócios do Brejo Paraibano na cidade de Areia. Na abertura do evento, o secretário foi lembrado como um exemplo de gestor empreendedor, graças ao trabalho realizado por sua pasta nessa questão da geração de renda e empreendedorismo.
Em fevereiro deste ano, as experiências positivas do Projeto Propriedades Produtivas tocado pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Agrário foram apresentadas em evento realizado na cidade de Mamanguape, na região do Litoral Norte do Estado.
No mês passado o município de Mari recebeu a visita do secretário de Agricultura do município de Areia, Artur Brito. A visita do secretário teve como objetivo conhecer as ações do projeto Propriedade Produtiva, de modo especial, o Arranjo do Projeto Local da Mandiocultura.
A política pública de apoio ao homem do campo implementada pela gestão atual tem sido esse referencial para cidades de toda a região e na prática o principal beneficiado é o homem do campo.
JKR NOTÍCIAS / Expressopb

Facebook Comments