Quarta, 21 de novembro de 2018
(83) 99635-5176
Política

29/10/2018 às 06h33

60

Redação JKR

Mari / PB

Tucano de 33 anos vence no RS e será o mais jovem governador do país
Aliado do governador até menos de um ano atrás, Leite cresceu na esteira da rejeição a Sartori e aos partidos de esquerda.
Tucano de 33 anos vence no RS e será o mais jovem governador do país


Aos 33 anos, o candidato tucano Eduardo Leite foi eleito neste domingo (28) o novo governador do Rio Grande do Sul, segundo projeção do Datafolha. Ele venceu José Ivo Sartori (MDB), que tentava a reeleição.


Aliado do governador até menos de um ano atrás, Leite cresceu na esteira da rejeição a Sartori e aos partidos de esquerda.


Começou a campanha com 8% das intenções de voto e foi o líder na primeira votação, com 36%. No segundo turno, teve embates ríspidos com o atual governador, a quem acusou de inércia diante da grave crise financeira estadual. O governo gaúcho, por exemplo, vem atrasando salários do funcionalismo desde 2015.


Após o fracasso do PSDB na eleição presidencial, declarou voto em Jair Bolsonaro (PSL) e chegou a vincular o adversário local a ideias de esquerda.


Leite será um dos mais jovens governantes da história do Rio Grande do Sul. Apenas políticos do século 19 já haviam assumido o estado com menos idade, como Júlio de Castilhos, aos 31 anos, em 1891. Naquela época, a mais alta autoridade estadual era ainda chamada de "presidente do estado".


O tucano é também o governador mais jovem eleito neste ano --o segundo é Ratinho Júnior (PSD), que tem 37 anos e venceu no Paraná no primeiro turno. Pela Constituição de 1988, a idade mínima para governador é de 30 anos e, para presidente, 35 anos.


O tucano se lançou candidato impulsionado pela sua popularidade em Pelotas, terceira maior cidade do estado, onde foi prefeito de 2013 a 2016, vereador, secretário do município e presidente da Câmara Municipal. Também foi presidente do PSDB estadual.


Bacharel em direito, começou na política ainda como estudante. Não teve na eleição um padrinho político específico nem tem familiares de grande destaque na área.


Assim como ocorreu com seu antecessor, seu principal desafio será financeiro. O Rio Grande do Sul tem dívida equivalente a duas vezes sua receita anual, em situação que só não é pior do que a do Rio de Janeiro.


Uma de suas maiores promessas de campanha é colocar em dia, no prazo de até um ano, o pagamento do funcionalismo estadual, iniciativa difícil de ser cumprida diante do bilionário deficit previsto nas contas estaduais para 2019.


Ele defende a adesão a um programa de renegociação da dívida com o governo federal, também citado por Sartori, e falou na eleição em não privatizar o Banrisul, banco estadual gaúcho.


Também precisará conquistar mais apoio para aprovar seus projetos na Assembleia. O PSDB e seus aliados elegeram apenas 20 dos 55 deputados estaduais, e partidos derrotados no primeiro turno, como o PT, prometem forte oposição. Seus principais apoiadores são o PP, da senadora Ana Amélia Lemos, e o PTB, que terá o vice-governador.


A derrota de Sartori mantém o Rio Grande do Sul com a escrita de ser o único estado do país que não reelegeu um governador desde a redemocratização. Em eleições anteriores, candidatos à reeleição chegaram até a ficar de fora do segundo turno. Nenhum ex-governador ocupará cargos públicos no próximo ano.


A longa crise financeira do estado, que desde a década de 1970 fechou seu balanço anual positivamente em apenas sete anos, costuma contribuir para essa circunstância. A última vez que um candidato governista venceu uma eleição direta no estado foi em 1947.


Também torna o PSDB uma das forças do estado, onde tinha pouca tradição. Enquanto sofreu derrotas expressivas em várias partes do país neste ano, no Rio Grande do Sul o PSDB terá o governador e o comando de 3 dos 5 maiores municípios, incluindo a capital.




Folha de São Paulo 

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Facebook
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium